Barcelona, um museu a céu aberto dentro da Espanha

São atrações diurnas, noturnas, gastronômicas. É praia e é metrópole, é jovem e divertida, é antiga e clássica. Barcelona é tudo! E é exatamente aí que me hospedei: no centro, no meio desse tudo. A cidade é tão grande que foi divida em distritos, dez no total, que na verdade eram pequenas cidades que foram se acoplando e hoje compõe Barcelona. Vou contar sobre um deles, o Distrito de l’Eixample, onde está localizado o bairro de Sant Antoni. Por lá me hospedei no apartamento de um chef de cozinha, o brasileiro Eloy Campagnoni, que hospeda e cozinha para seus hospedes. Não haveria lugar melhor para um cozinheiro morar, uma vez que esse bairro vem se transformando num circuito gastronômico e point.

Localizado perto disso tudo que eu disse, o bairro conta com o famoso e antigo Mercado de Sant Antoni que está passando por reconstrução e promete ficar pronto agora no mês de abril — todo remodelado, presenteado moradores e turistas com vias peatonais, facilitando nossa locomoção. E não só ele está sendo reformado como também o bairro todo! Os prédios residenciais, hotéis restaurantes, bares, abrindo lojas, estações de metrô, se tornando um Bairro bem frequentado e jovem. Posso comparar com o que temos aqui em São Paulo na Vila Madalena. A rua mais interessante de Sant Antoni é a Carrer Parlament, que é exatamente onde me hospedei e indico, pois está próximo de tudo. Fiz tudo a pé, do centro da cidade se vai a para a Praça Catalunia, que te leva até a famosa Via Las Ramplas e chega até a cidade velha — próxima até mesmo da praia.

TURISMO.

E onde está a praia de Barcelona? Por toda parte! A mais conhecida é a Barceloneta, uma área para família e turistas, ciclismo, esportes e a famosa Paella espanhola, levando em conta que está na orla marítima da cidade. Cada distrito de Barcelona conta de Infinitas atrações, basta você saber o que te atrai mais: arte, gastronomia, vida noturna…

Daria um livro para descrever Barcelona. Passei uma semana lá, mas não vi um terço do que a cidade tem para oferecer. Ficou faltando muita coisa, e eu, se pudesse indicar, passaria umas ferias inteira por lá. Um mês todo! Como toda cidade grande em que queremos nos familiarizar com a cultura e a historia logo de cara, indico fazer os passeios com os ônibus turísticos que também vai te servir como transporte para se locomover mesmo sem o intuito de fazer o tour.

A maior atração de Barcelona está espalhada pela cidade, e que, sem a narração de um guia conhecedor das obras, você perde boa parte da emoção. O ponto mais visitado, claro é a igreja Sagrada Família! Mas não deixe para comprar seu ingresso na hora, compre online para não ficar sem. Não deixe de pegar o teleférico de Montjuic, além da vista panorâmica que você vai ter da cidade, ele te levar até a colina onde está o castelo!.

 

a

Bangkok, ‘segredos e loucuras’ da exótica capital da Tailândia

Sei que quando nós pensamos na Tailândia, logo nos vem à cabeça as ilhas maravilhosas que formam o país. Mas dessa vez minha viagem teve motivação menos turística e mais filosófica. Me interessei por saber mais sobre o universo do budismo, foi então que me preparei para mergulhar afundo na origem de toda a cultura e conhecer mais sobre esse continente encantador que se chama Ásia.

Levando em conta que não fui por agência e que lá não se fala muito o inglês, não podia cometer erro no que diz respeito a hospedagem e transporte. Mas. claro, teve.

Por isso repito, em alguns roteiros é preciso seguir sim conselhos de quem já foi ou de profissionais da área. E assim cá estou para contar onde fiquei e como cheguei.

São dois voos longos para chegar a Tailândia, então resolvi fazer um pitstop de duas noites na Turquia, antes de seguir viagem.

Bangkok é uma cidade imensa, muito trânsito, muito pedestre, aqueles tuk-tuks, uma loucura!

Pensei, em me hospedar em um bairro, onde pudesse fazer tudo a pé e fosse perto do metro, na parte metropolitana… certo? Errado!

Se você não puder gastar com os hotéis cinco estrelas, de famosas redes conhecidas no mundo todo, não se iluda com as fotos nos sites de hotéis locais. No mesmo minuto que cheguei, já sai. Completamente diferente do site, nem vem ao caso descrever aqui — vocês já imaginam.

Eu mal consegui me comunicar com recepcionista que não falava inglês. Foi difícil porém considero um aprendizado, já que a viagem era para exatamente para aprender mais sobre a paciência e gratidão! Comecei bem a aula! Para você não repetir meu erro, o nome desse bairro é Sukhumvit.

VIAGEM.

Se você estiver em lua de mel, for do perfil mais tradicional ou tiver com filhos, eu sugiro o bairro Riverside, dos mais turísticos e onde estão os restaurantes. A noite a vista é linda e você consegue agendar jantar no barco enquanto navega pelo rio Chao Phraya que corta a cidade — o que vemos nos filmes.

E foi lá mesmo que acabei ficando e amei.

Agora, sobre o que é com certeza o local mais maluco que já vi na minha vida. e algo que não sei bem descrever: se chama Khao San Road.

É uma rua com mais de 400 metros entre restaurantes, bares, casas de massagem, estúdios de tatuagem, agências de turismo… Fica aberta 24 horas, e lá se concentram os jovens e mochileiros do mundo todo.

É lá que você se informa dos transportes para as ilhas. Tanta atracão inusitada que você não sabe para onde olha… Massagens com peixes mordendo seu pé, churrasco de inseto, enfim.

Apesar de parecer excêntrico demais pra você, eu aconselho muito passar por essa experiencia!

a

Istambul, inspiradora cidade que se divide entre a Europa e a Ásia

Quando passei por Istambul, na verdade foi por causa de uma conexão que acabei prolongando e ficando três dias.  Por isso, a chamo de ‘Cidade Inspiradora’!

Quero voltar para explorar, pois somente me deixou com gosto de quero mais.  Quando tenho poucos dias numa cidade, busco logo de cara um guia Turístico para acompanhar meu passo a passo.

Vou tentar te levar comigo aqui e fazer o mesmo roteiro que meu guia. E o primeiro passo é: entender como funciona.

Istambul abraça dois continentes: tem Istambul lado Ásia e Istambul lado Europa, separados pelo estreito Bósforo.  Para se locomover para lá e para cá existem somente duas pontes. O trânsito na hora do Rush é complicado, pois é a cidade inteira se mexendo. Muitos moram do lado europeu e trabalham no asiático e vice-versa.

Uma outra opção para atravessar o Bósforo é usar as balsas que saem a todo momento. A vista no horário do pôr do sol e ao nascer é de tirar o folego. Juro, uma das cidades mais lindas que já vi.

Tem um passeio de barco, bem turístico, porém supercompleto, que te dá logo no primeiro dia uma boa noção da história desde a antiga Constantinopla, uma explicação completa sobre a passagem do Império Bizantino para o Império Otomano, onde passamos pelos palácios.

HOSPEDAGEM.

Eu me hospedaria do lado europeu, que é o lado mais Turismo — o asiático é mais comercial que cresceu muito nos últimos anos.  Então, como nosso assunto é turismo, vamos focar na Istambul europeia.

A visita às mesquitas e aos mercados não podem faltar, para sentir a cultura na pele. Ambas as mesquitas, Blue Mosque e Hagia Sophia Mosque, estão no lado europeu. E passeando por ali em horários específicos se escuta pelos alto falantes o chamado, cinco vezes ao dia, convidando os muçulmanos a orar. É de arrepiar! Diferente para quem vem de uma cultura cristã.

Sobre os Famosos Mercados… Caminhei bastante e cheguei ao Bazar, onde encontramos muitos produtos falsificados, como bolsas e roupas. Mas foi o mercado de especiarias que eu gostei! O Spice Market tem tudo que você imagina, e os turcos, para lá de comerciantes, nos abordam de uma maneira em que não podemos dizer não. Sabem sua nacionalidade só de bater o olho e já logo começam com ‘Brasil, Neymar, Ronaldo’…

Foi nesse mercado que conheci o melhor doce do mundo na minha opinião, e que desde então, todos que vão para a Turquia eu peço para trazer para mim!  Se chama BaKlaVa. Comi um para nunca mais parar. Experimentem também por favor, é maravilhoso!

Você vai ver também muitos tapetes, batas, tudo bem típico, e, se pechinchar, consegue um preço bem melhor!

Um fato: o cheiro do cigarro! Como fumam! Se eu contar, você não vai acreditar… Quando abri as sacolas das minhas compras feitas nos mercados, na minha mala, voltando da viagem, parecia que estava abrindo um cinzeiro! Eles fumam por toda parte, até mesmo dentro dos mercados fechados, impregnando as roupas. Então fique atendo antes de presentear alguém!

Para finalizar aqui no meu curto espaço para descrever essa cidade inspiradora, eu não deixaria de ir a Galata Tower. Um dos únicos ponto que se tem 360 graus de vista. Era uma torre de vigilância no Império Otomano, hoje ela conta com um café e um restaurante.

Para os que gostam mais da cena Noturna, fiquem tranquilos! Istambul à noite é agitada, com muitos clubes…  Os turcos se divertem!

Los Angeles, Beverly Hills e uma viagem de cinema em Hollywood

Primeiro de tudo, uma confissão… Antes de eu fazer essa viagem, eu tinha muito confuso na minha cabeça como era Los Angeles, o que era Beverly Hills, e não fazia a menor ideia de o que seria Hollywood.  Era um bairro? Uma cidade? Uma cidade de verdade? E Beverly Hills? É igual vemos nos filmes? Artistas na rua?

E assim como foi a minha dúvida, tenho quase certeza que é a de muitos brasileiros, que, assim como eu, imaginam uma coisa e ao chegar lá e acabam vendo outra!

Eu organizei toda minha viagem. Fiz o roteiro, aluguei o carro e reservei os hotéis. Foi uma RoadTrip de quase um mês finalizando com Natal e Réveillon.  Como sei que a temperatura na Califórnia no inverno é amena, sabia que não teria problema.

Aliás, a Califórnia parece um país a parte do restante dos Estados Unidos. A ‘vibe’ é outra, e você sente no ar, logo que você desembarca no aeroporto.

ROTEIRO.

Pré-viagem. Primeiro erro: onde ficar? Los Angeles? Centro? Não!

A cidade de Los Angeles não é bonita, é perigosa, tem um transito caótico. O que vemos nos filmes, o local da entrega do Oscar, na verdade todo o glamour é em Hollywood, um distrito. E Beverly Hills é uma outra cidade.

E foi pra lá mesmo que me joguei! Segui o conselho de um amigo americano que mora e trabalha por lá, e mudei às pressas meu hotel, de Los Angeles para Hollywood.

Por isso, que digo… Antes de viajar, leia, pergunte, se informe com pessoas locais ou até quem com já foi, para não entrar em furada! Indicação e dicas são muito importantes, principalmente quando se faz o roteiro sem o acompanhamento e a segurança de uma agência.

Minha viagem se dividiu basicamente em quatro ou cinco dias em cada cidade… Passando por todas as praias, Malibu, Venice Beach,  Huntington Beach, Santa Barbara (amei essa) Santa Cruz (amei essa também), Santa Monica, Carmel , San Francisco, Sausalito…  Mas hoje vamos de menos surf e mais glamour!

VOLTA.

Hollywood realmente não era nada daquilo que imaginava. Na verdade, era… Mas em uma proporção menor do que criei na minha cabeça. A Hollywood Boulervad, onde fica a calçada da fama, é um mundo de fantasia. Lá fica o Dolby Theatre  (o antigo Kodak Theatre), onde acontece a entrega do Oscar. A avenida é toda voltada para a arte, música e o mundo cinematográfico. São museus, como por exemplo da Marilyn Monroe, onde você encontra as maquiagens dela intactas, onde ela pintou o cabelo de loira pela primeira vez, e ate mesmo o frasco do remédio que acredita-se que a causou sua morte…

Também há outros museus com os figurinos usados em vários filmes, por exemplo o sapato real usada pela personagem Dorothy no filme o Magico de Oz, e por aí vai.

É um mundo de sonhos! Conforme andava via muitos jovens em busca de um sonho, ser famoso ou ser reconhecido pelo seu talento artístico, seja musical ou teatral.

De dia trabalham como garçons em restaurantes e bares, e a noite se apresentando em casas de show — ou estão em filas para testes de comercias e TVs e gravadoras.

LUXO.

Beverly Hills?  Essa sim é exatamente como vemos nos filmes (mas completamente fora da minha realidade)!

É realmente para os artistas morarem que ganham em bilhões de dólares. Fiz um tour famoso lá, que é andar de carro (no caso o meu mesmo que aluguei) mas com um mapa na mão, que tem todas as ruas e separado por número e letra a casa dos artistas. Aí você vai seguindo o seu artista favorito e, quem sabe… Encontra com ele saindo de casa!

O meu favorito Foi Michael Jackson. Ali fiquei horas, parada em frente a casa dele, a Neverland… Parei o carro, desci, olhei a caixa de correio., o jardim, e fiquei ali refletindo.

O que leva uma pessoa tão rica, com tanto talento e fama, ter tido uma vida tão problemática, difícil… E apesar de estar numa atmosfera fútil, glamorosa e fantasiosa que é Hollywood, filosofei sobre a vida e agradeci por tudo que tenho. Pois mesmo com tantas mansões carros, aviões, Lamburghinis e Masseratis que você vê a todo momento, essa vida de celebridade não deve ser nada fácil. Se não usado com cautela, o dinheiro pode ser prejudicial à saúde!