Budapeste, a cidade divida pelo Danúbio no coração da Hungria

Dividida pelo extenso rio Danúbio, Budapeste tem lado histórico e outro com a parte moderna;com um dos cartões postais mais bonitos do mundo, a capital húngara é cercada por turismo, gastronomia e badalação da vida noturna

Buda e Peste: são esses dois lados dividido pelo rio Danúbio, que compõe uma das 10 maiores cidades da Europa. Budapeste!

Eu particularmente adoro cidades dividias assim, geralmente um lado fica com a parte histórica, onde se concentram as atrações turísticas, e o outro com a parte a moderna, com uma vida noturna mais intensa.

Budapeste é conhecida por ser uma cidade barata, divertida, fácil de se locomover e, além de tudo, cheia de história. Por isso, atrai estudantes do mundo todo querendo morar por lá.

O que liga um lado ao outro é a chamada Ponte das Correntes, que passa sobre o extenso Rio Danúbio. Esse corta vários países da Europa, delimitando territórios na era do império romano.

Você consegue fazer um passeio sobre o Danúbio com almoço incluso, ou jantar romântico, ou com amigos para um drink. Enquanto aprecia a cidade de Budapeste por outro ângulo.

Eu fiz logo no primeiro dia, pois geralmente esse passeio, como um cruzeiro, você compra por agências e um guia acompanha junto, onde ele narra um pouco da história da divisão de Buda e Peste.

Budapeste tem muito o que se fazer, mas, por ser fácil de se locomover, quatro dias na capital húngara são suficientes.

Vou deixar aqui, como dica, o que meu deixou mais de queixo caído em Budapeste, um pouquinho de cada atração. Histórica, gastronômica e, claro, a vida noturna. Toda viagem que faço, separo um dos dias para acordar mais tarde e aguentar a badalação noturna descansada. Até mesmo para conhecer a cultura local dos jovens e a cena eletrônica!

DESTINOS.

O principal é a Casa de Ópera Budapeste. Localizada na famosa avenida Andrassy, possui uma das melhores acústicas do mundo, e recebe por volta de 130 apresentações por ano. Fiz um tour guiado por dentro, conhecendo as partes que geralmente não temos acesso, e nesse tour ficamos sabendo quem já passou por ali e história sobre sua construção.

O meu queixo caído é pelo interior da sala de concertos, revestido com sete quilos de ouro. Você fica perplexa com tanta beleza!

Ainda se tratando de historia e arquitetura, o Castelo de Buda, que fica em cima da colina e garante uma vista linda da cidade, e o Parlamento também são pontos turísticos imperdíveis.

Não há como ir para a Hungria e não comer o famoso goulash – em húngaro: gulyás. É uma especie de mistura de um monte de carne com pimentão, uma delicia, e se come muito por lá.

Sobre a vida noturna, Hello Baby! Isso mesmo, Hello Baby é uma das casas noturnas mais famosas de Budapeste, em um um palácio gótico. Budapeste é certamente uma cidade que quero voltar.

 

Os dois lados do paraíso das águas nas incríveis Cataratas do Iguaçu

Tendo um lado brasileiro e outro argentino, Cataratas do Iguaçu reservam uma das mais bonitas combinações da natureza; em solo brasileiro, atração em Foz do Iguaçu (PR) recebe mais de 1,5 milhão de turistas anualmente

Meu aniversário estava chegando, e eu precisava escolher um destino para comemorar, pois se tem um presente bom é presentear a mim mesma com viagem!

Queria passar em algum lugar que tivesse muita energia, então me surgiu a ideia de Conhecer a segunda maior usina hidrelétrica do mundo, a Usina de Itaipu, a força das Cataratas do Iguaçu!

Além de maravilhoso, você ganha um bônus extra, podendo sentir como é pisar em um ponto comum e estar em três países ao mesmo tempo, na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. Uma sensação mágica! São muitas as atrações para se fazer por lá, e dependendo dos seus dias e gostos você vai direcionando seu roteiro. Vou contar o meu!

Eu fiquei um feriado prolongado, então foram cinco noites. É suficiente, pois a cidade em si não tem muito o que se fazer, e sim o seus arredores.

Viajei por conta própria, comprei minha passagem e fui. Sem agencia dessa vez, o que é bem tranquilo, pois os hotéis em Foz geralmente são todos preparados para nos direcionar paras as agencias locais e guias com pacotes bacanas, de acordo com a quantidade de dias que você vai ficar na cidade!

Dependendo do roteiro, são ônibus leitos ou confortáveis vans pontuais, e os guias bastante conhecedores da historia local. Vai na fé!

TURISMO.

As cataratas tem dois lados: o argentino e o brasileiro. Tem quem faça os dois, e eu fiz o brasileiro. No caminho, ainda no ônibus, o guia vai nos explicando toda a história, desde quando o Parque Nacional de Iguaçu era propriedade privada e como o aviador Santos Dummont fez que fez para convencer o presidente do Estado do Paraná para tornar a propriedade pública! Hoje, o Parque recebe mais de 1,5 milhão de pessoas por ano.

Ainda se tratando de natureza e sua fortaleza, para os aventureiros como eu, vale a pena literalmente se enfiar dentro e debaixo de 70 metros de queda do terceiro maior fluxo de água do mundo em época de chuva: a Garganta do Diabo!

E já para os mais tranquilos, a visita imperdível é o Parque das Aves, 17 hectares de mata nativa onde você vai ver mais de 1.000 variedades de aves! Aquela foto clássica com o tucano não pode faltar! Lindo, muito lindo!

A noite, ao invés de jantar em Foz, você pode ir logo ali, na Argentina jantar e voltar. Simples assim! Tem ônibus leito para levar o pessoal, e é só agendar com antecedência na agência.

Ah, e a Usina de Itaipu Binacional! Desenvolvida por Brasil e Paraguai, o tour guiado foi uma verdadeira aula de economia, história e política! Lembrando, todos os passeios são com hora marcada, tem que agendar antes!

E já que estava por lá, para matar a curiosidade fui conhecer o Paraguai, mas foi só para confirmar o que imaginava, que se não for para comprar eletrônico, não compensa!

O guia logo avisa para não comprar nada que tenha contato com pele, como por exemplo perfumes, cremes, shampoos, tudo falsificado em sua maioria. Algumas lojas especificas são confiáveis, mas nada muito diferente do que encontramos em São Paulo!.

 

Segredos de Campania, paraíso escondido no lindo sul da Itália

Longe das badalações de Roma, Milão e de outras figurinhas carimbadas, região de Nápoles trás um roteiro completo para turistas que procuram por visuais cinematográficos especialmente durante o verão europeu

Ao invés de relatar aqui um país ou uma cidade específica, dessa vez farei diferente: que tal sugerir a vocês uma região inteira? Em geral, nós estamos acostumados a viajar primeiro para as cidades maiores ou mais famosos no turismo… Muitas vezes, nos blindamos e deixamos de explorar cantinhos não tão populares, mas tão ricos em história e beleza!

Fiquem agora com uma lista de cidades que tive a sorte e o prazer de conhecer e que se algum dia você enjoar das tradicionais cidades visitadas na Itália, como Roma, Milão, Firenze, Veneza, e quiser explorar outra região, tenho certeza que vai se surpreender, assim como eu.

Estou falando especificamente da região de Campania, no sul italiano! Essa área também abraça famosas cidades, que no verão europeu atraem turistas do mundo todo em lugares cinematográficos, como a capital Nápoles, Capri, Amalfi, Positano, Pompeia…

Mas eu vou ainda mais fundo: Costa de Cilento!

Um local não tão conhecida como a Costa Amalfitana, mas tão lindo quanto! São praias de bandeira azul (limpas, com águas claras) no mar Mediterrâneo. A área é composta de cidades que trazem, em uma delas, a melhor ‘mozarrela’ da Itália e monumentos declarados como patrimônio da Unesco.

Entre esses há Castellabate, uma cidade medieval, onde está o castelo que se tornou a casa de Franchesco, muito conhecido no Brasil como Francisco Matarazzo.

Lá, você pode entrar e conhecer tanto a casa quanto o castelo por dentro. A vista lá de cima é de tirar o folego!

Também há Paestum, uma cidade fundada antes de Cristo pelos gregos! Antes de ter seu nome adaptado pelos romanos, ela se chamava Poseidonia. Entre templos, ruínas e museus para se visitar, essa cidade também recebe excursões de turistas, e até mesmo italianos de outras regiões por causa da sua famosa ‘mozzarella’ de búfala.

Há ainda um lugar conhecido como Vannulo, um restaurante e yogurteria, onde as vacas são criadas. Se comenta por la que o segredo da ‘mozzarela’ ser tão saborosa é que elas escutam Mozart para dar mais leite!

A brincadeira é chamar de ‘mozzarela’! Será?

Surpresas gastronômicas não vão parar de aparecer em seu caminho, então a dica é: faça de carro essas cidadezinhas vilarejos, seguindo na contramão do fluxo turístico. Tenho certeza que vai se viciar nessa estratégia, e querer aplicar em todos outros países. Boa viagem!

‘Terra do Gelo’, Islândia reserva paraíso exuberante da natureza

Islândia, a Terra do Gelo, é o sonho de muitos viajantes. Mas que sonho caro…

Antes de começar a falar da viagem mais linda que já fiz na minha vida, devo fazer um alerta: se programem financeiramente para não cair para trás assim como eu. Assim como a natureza exuberante, os preços são extremamente surreais: por exemplo, o valor de um taque cheio é em média 900 reais!

A melhor maneira de conhecer a Islândia é alugando um carro, pois tem coisas que só a vida em quatro rodas te proporciona. Entre vulcões, glaciers, cachoeiras, mar, lagoas e gelerias cada quilômetro é uma surpresa!

Como alugar um Jeep e nos hospedar em um hotel iria ficar muito caro, resolvi fazer do meu carro, minha casa! A Islândia inteira é segura, e tem campings em várias cidades. Mas, como só abrem no verão, acabei parando onde eu achava que seria mais bonita a vista quando acordasse!

Acredito eu que quem se identifica com esse roteiro, esse tipo de destino, são pessoas com perfis aventureiros, pois senão a viagem pode se tornar um pesadelo. A CamperVan, que comporta 2 ou 3 pessoas, não tem banheiro dentro, por exemplo

A Islândia, apesar de ser a Terra do Gelo, é rodeada de vulcões e piscinas naturais com temperatura na média de 40 graus. Espalhadas pelo pais, normalmente possuem estrutura de spas, clubes, com chuveiro, toalhas, vestiário, restaurantes…

Geralmente as pessoas deixam chegar o verão para visitar a Islândia, mas eu fui na primeira semana da primavera e contei com sorte! Em uma semana vi tempestade de neve, sol com chuva, arco-íris… Aliás, o vento é responsável pelos maiores acidentes com as campers.

Como é um país grande, não teria tempo para conhecê-la toda. Então fiz os mais visitados. Comecei aterrizando na capital, Reikjavik, onde se concentra a maior parte da população da Islândia — 200 mil habitantes (em todo o país são apenas 300 mil).

De lá, a primeira parada é Blue Lagoon, uma lagoa artificial famosa por uma máscara que dizem que nos rejuvenesce em 10 anos. Vale a pena provar! Depois, seguimos para uma das maiores obras da natureza, os famosos Geysers: imagine que como se fosse uma gigante panela de pressão, que entra em erupção de minutos em minutos, espirrando para o alto um jato de água quente borbulhando. Lindo e emocionante!

No dia seguinte fui ao vulcão Kerid, que entrou em erupçãoo 3 mil anos atrás, e depois conheci Seljalandsfoss, uma região com cachoeiras que, com a força do vento, quase que sopram a água para cima.

Se tivesse que escolher meu lugar favorito, seria um que se chama Svinafellsjokull, cenário de Game of Thrones, com geleiras que se movimentam lentamente por conta da influência dos vulcões, e vão se transformando nessa montanhas de gelo!.