Um guia de viagem pelas lindas belezas da Chapada Diamantina

Paraíso baiano é um dos principais pontos turísticos do Brasil; faça o planejamento e se prepare para conhecer as atrações

Como organizar uma viagem a Chapada da Bahia? Por onde começar? Onde se hospedar? Como chegar? Eis as questões!

É para isso que eu fui, para poder, agora sim, relatar minha experiência e literalmente passar todo o ‘caminho das pedras’ pra vocês!

Essa é uma viagem que precisa planejamento, pois o Parque Nacional da Chapada Diamantina é imenso e impossível de conhecer todas suas atrações em uma só visita!

Primeiro de tudo, entrar em contato com um guia local que conheça tudo e todos e partir dele seguir suas indicações de transporte, hotéis e o que iria fazer em cada dia para não perder tempo!

Depois: como chegar até a cidade de Lençóis, minha base! Entrei em contato com a AGG Turismo, uma indicação essencial para o sucesso da minha viagem, pois sem carro e um motorista experiente para dirigir nessa estrada ia ser difícil!

Meu desembarque foi em Salvador, e de lá para Lençóis são seis horas de viagem com poucos lugares bons para parar na estrada. É importantíssimo você ter alguém de confiança para te guiar por lá!

Em um acordo prévio, o mesmo motorista que te busca no aeroporto, te leva até Lençóis será o mesmo que junto ao seu Guia, planejaram o roteiro que te levará pra lá e pra cá entre Lençóis, Capão e todas as atrações da Chapada.

O tanto de quilometragem rodada é o que vai determinar o valor que a Agg Turismo vai cobrar, já incluindo o carro, o transporte e o motorista, por todos os dias te guiando. Pois depois, não se esqueça, vai precisar voltar para Salvador!

Tudo é muito longe e afastado… Imagina que são 152 hectares de terra para explorar. O motorista nos pega no hotel e nos guia até a entrada das trilhas, e, depois, é com você e seu guia! Estava com um grupo de seis pessoas, que incluia um casal de idosos, então meu roteiro foi adaptado para que todos aguentassem as trilhas até os poços e cachoeiras.

Mas como disse meu próprio guia, Lincoln Santos, tem idosos e idosos! Os que sempre praticam caminhadas e se alimentam bem, aguentam, por exemplo, a subida do Morro do Pai Inácio, que é tranquila! Segurando na mão, devagar sem pressa, chegamos! Mas a Cachoeira da Fumaça, a segunda maior do Brasil, não fizemos!

Onde se hospedar… A pergunta que não quer calar: Lençóis ou Capão? Eu escolhi passar todos os dias hospedada num lugar só, apesar das atrações do Parque Nacional se dividirem entre outros municípios!

Queria evitar a locomoção de hotéis, check-ins e check-outs, e foi por isso que preferi o motorista que nos pegava e nos deixava de volta no hotel todos os dias. Foi sucesso!a Voltavamos dormindo, mortos!

Pra hotel, fui pela localização sempre! O Hotel Terra dos Diamantes foi construído quase que dentro de um dos maiores pontos de visita da Chapada Diamantina, o Salão de Areias Coloridas, e a região de Serrano, onde se fazia o garimpo dos diamantes, você pode ir a pé rapidinho e ainda tomar banho na cachoeira!

Enfim, tudo que planejei saiu ‘como planejado’ e fica aqui minhas dicas para se organizarem! E se eu tiver de eleger o que mais gostei, já tenho na ponta da língua: O Poço Encantado! Demorou pra chegar, mas valeu a pena. Se não for a principal, é uma das coisas mais lindas que já vi na vida!.

 

Budapeste, a cidade divida pelo Danúbio no coração da Hungria

Dividida pelo extenso rio Danúbio, Budapeste tem lado histórico e outro com a parte moderna;com um dos cartões postais mais bonitos do mundo, a capital húngara é cercada por turismo, gastronomia e badalação da vida noturna

Buda e Peste: são esses dois lados dividido pelo rio Danúbio, que compõe uma das 10 maiores cidades da Europa. Budapeste!

Eu particularmente adoro cidades dividias assim, geralmente um lado fica com a parte histórica, onde se concentram as atrações turísticas, e o outro com a parte a moderna, com uma vida noturna mais intensa.

Budapeste é conhecida por ser uma cidade barata, divertida, fácil de se locomover e, além de tudo, cheia de história. Por isso, atrai estudantes do mundo todo querendo morar por lá.

O que liga um lado ao outro é a chamada Ponte das Correntes, que passa sobre o extenso Rio Danúbio. Esse corta vários países da Europa, delimitando territórios na era do império romano.

Você consegue fazer um passeio sobre o Danúbio com almoço incluso, ou jantar romântico, ou com amigos para um drink. Enquanto aprecia a cidade de Budapeste por outro ângulo.

Eu fiz logo no primeiro dia, pois geralmente esse passeio, como um cruzeiro, você compra por agências e um guia acompanha junto, onde ele narra um pouco da história da divisão de Buda e Peste.

Budapeste tem muito o que se fazer, mas, por ser fácil de se locomover, quatro dias na capital húngara são suficientes.

Vou deixar aqui, como dica, o que meu deixou mais de queixo caído em Budapeste, um pouquinho de cada atração. Histórica, gastronômica e, claro, a vida noturna. Toda viagem que faço, separo um dos dias para acordar mais tarde e aguentar a badalação noturna descansada. Até mesmo para conhecer a cultura local dos jovens e a cena eletrônica!

DESTINOS.

O principal é a Casa de Ópera Budapeste. Localizada na famosa avenida Andrassy, possui uma das melhores acústicas do mundo, e recebe por volta de 130 apresentações por ano. Fiz um tour guiado por dentro, conhecendo as partes que geralmente não temos acesso, e nesse tour ficamos sabendo quem já passou por ali e história sobre sua construção.

O meu queixo caído é pelo interior da sala de concertos, revestido com sete quilos de ouro. Você fica perplexa com tanta beleza!

Ainda se tratando de historia e arquitetura, o Castelo de Buda, que fica em cima da colina e garante uma vista linda da cidade, e o Parlamento também são pontos turísticos imperdíveis.

Não há como ir para a Hungria e não comer o famoso goulash – em húngaro: gulyás. É uma especie de mistura de um monte de carne com pimentão, uma delicia, e se come muito por lá.

Sobre a vida noturna, Hello Baby! Isso mesmo, Hello Baby é uma das casas noturnas mais famosas de Budapeste, em um um palácio gótico. Budapeste é certamente uma cidade que quero voltar.

 

Os dois lados do paraíso das águas nas incríveis Cataratas do Iguaçu

Tendo um lado brasileiro e outro argentino, Cataratas do Iguaçu reservam uma das mais bonitas combinações da natureza; em solo brasileiro, atração em Foz do Iguaçu (PR) recebe mais de 1,5 milhão de turistas anualmente

Meu aniversário estava chegando, e eu precisava escolher um destino para comemorar, pois se tem um presente bom é presentear a mim mesma com viagem!

Queria passar em algum lugar que tivesse muita energia, então me surgiu a ideia de Conhecer a segunda maior usina hidrelétrica do mundo, a Usina de Itaipu, a força das Cataratas do Iguaçu!

Além de maravilhoso, você ganha um bônus extra, podendo sentir como é pisar em um ponto comum e estar em três países ao mesmo tempo, na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. Uma sensação mágica! São muitas as atrações para se fazer por lá, e dependendo dos seus dias e gostos você vai direcionando seu roteiro. Vou contar o meu!

Eu fiquei um feriado prolongado, então foram cinco noites. É suficiente, pois a cidade em si não tem muito o que se fazer, e sim o seus arredores.

Viajei por conta própria, comprei minha passagem e fui. Sem agencia dessa vez, o que é bem tranquilo, pois os hotéis em Foz geralmente são todos preparados para nos direcionar paras as agencias locais e guias com pacotes bacanas, de acordo com a quantidade de dias que você vai ficar na cidade!

Dependendo do roteiro, são ônibus leitos ou confortáveis vans pontuais, e os guias bastante conhecedores da historia local. Vai na fé!

TURISMO.

As cataratas tem dois lados: o argentino e o brasileiro. Tem quem faça os dois, e eu fiz o brasileiro. No caminho, ainda no ônibus, o guia vai nos explicando toda a história, desde quando o Parque Nacional de Iguaçu era propriedade privada e como o aviador Santos Dummont fez que fez para convencer o presidente do Estado do Paraná para tornar a propriedade pública! Hoje, o Parque recebe mais de 1,5 milhão de pessoas por ano.

Ainda se tratando de natureza e sua fortaleza, para os aventureiros como eu, vale a pena literalmente se enfiar dentro e debaixo de 70 metros de queda do terceiro maior fluxo de água do mundo em época de chuva: a Garganta do Diabo!

E já para os mais tranquilos, a visita imperdível é o Parque das Aves, 17 hectares de mata nativa onde você vai ver mais de 1.000 variedades de aves! Aquela foto clássica com o tucano não pode faltar! Lindo, muito lindo!

A noite, ao invés de jantar em Foz, você pode ir logo ali, na Argentina jantar e voltar. Simples assim! Tem ônibus leito para levar o pessoal, e é só agendar com antecedência na agência.

Ah, e a Usina de Itaipu Binacional! Desenvolvida por Brasil e Paraguai, o tour guiado foi uma verdadeira aula de economia, história e política! Lembrando, todos os passeios são com hora marcada, tem que agendar antes!

E já que estava por lá, para matar a curiosidade fui conhecer o Paraguai, mas foi só para confirmar o que imaginava, que se não for para comprar eletrônico, não compensa!

O guia logo avisa para não comprar nada que tenha contato com pele, como por exemplo perfumes, cremes, shampoos, tudo falsificado em sua maioria. Algumas lojas especificas são confiáveis, mas nada muito diferente do que encontramos em São Paulo!.

 

Segredos de Campania, paraíso escondido no lindo sul da Itália

Longe das badalações de Roma, Milão e de outras figurinhas carimbadas, região de Nápoles trás um roteiro completo para turistas que procuram por visuais cinematográficos especialmente durante o verão europeu

Ao invés de relatar aqui um país ou uma cidade específica, dessa vez farei diferente: que tal sugerir a vocês uma região inteira? Em geral, nós estamos acostumados a viajar primeiro para as cidades maiores ou mais famosos no turismo… Muitas vezes, nos blindamos e deixamos de explorar cantinhos não tão populares, mas tão ricos em história e beleza!

Fiquem agora com uma lista de cidades que tive a sorte e o prazer de conhecer e que se algum dia você enjoar das tradicionais cidades visitadas na Itália, como Roma, Milão, Firenze, Veneza, e quiser explorar outra região, tenho certeza que vai se surpreender, assim como eu.

Estou falando especificamente da região de Campania, no sul italiano! Essa área também abraça famosas cidades, que no verão europeu atraem turistas do mundo todo em lugares cinematográficos, como a capital Nápoles, Capri, Amalfi, Positano, Pompeia…

Mas eu vou ainda mais fundo: Costa de Cilento!

Um local não tão conhecida como a Costa Amalfitana, mas tão lindo quanto! São praias de bandeira azul (limpas, com águas claras) no mar Mediterrâneo. A área é composta de cidades que trazem, em uma delas, a melhor ‘mozarrela’ da Itália e monumentos declarados como patrimônio da Unesco.

Entre esses há Castellabate, uma cidade medieval, onde está o castelo que se tornou a casa de Franchesco, muito conhecido no Brasil como Francisco Matarazzo.

Lá, você pode entrar e conhecer tanto a casa quanto o castelo por dentro. A vista lá de cima é de tirar o folego!

Também há Paestum, uma cidade fundada antes de Cristo pelos gregos! Antes de ter seu nome adaptado pelos romanos, ela se chamava Poseidonia. Entre templos, ruínas e museus para se visitar, essa cidade também recebe excursões de turistas, e até mesmo italianos de outras regiões por causa da sua famosa ‘mozzarella’ de búfala.

Há ainda um lugar conhecido como Vannulo, um restaurante e yogurteria, onde as vacas são criadas. Se comenta por la que o segredo da ‘mozzarela’ ser tão saborosa é que elas escutam Mozart para dar mais leite!

A brincadeira é chamar de ‘mozzarela’! Será?

Surpresas gastronômicas não vão parar de aparecer em seu caminho, então a dica é: faça de carro essas cidadezinhas vilarejos, seguindo na contramão do fluxo turístico. Tenho certeza que vai se viciar nessa estratégia, e querer aplicar em todos outros países. Boa viagem!

‘Terra do Gelo’, Islândia reserva paraíso exuberante da natureza

Islândia, a Terra do Gelo, é o sonho de muitos viajantes. Mas que sonho caro…

Antes de começar a falar da viagem mais linda que já fiz na minha vida, devo fazer um alerta: se programem financeiramente para não cair para trás assim como eu. Assim como a natureza exuberante, os preços são extremamente surreais: por exemplo, o valor de um taque cheio é em média 900 reais!

A melhor maneira de conhecer a Islândia é alugando um carro, pois tem coisas que só a vida em quatro rodas te proporciona. Entre vulcões, glaciers, cachoeiras, mar, lagoas e gelerias cada quilômetro é uma surpresa!

Como alugar um Jeep e nos hospedar em um hotel iria ficar muito caro, resolvi fazer do meu carro, minha casa! A Islândia inteira é segura, e tem campings em várias cidades. Mas, como só abrem no verão, acabei parando onde eu achava que seria mais bonita a vista quando acordasse!

Acredito eu que quem se identifica com esse roteiro, esse tipo de destino, são pessoas com perfis aventureiros, pois senão a viagem pode se tornar um pesadelo. A CamperVan, que comporta 2 ou 3 pessoas, não tem banheiro dentro, por exemplo

A Islândia, apesar de ser a Terra do Gelo, é rodeada de vulcões e piscinas naturais com temperatura na média de 40 graus. Espalhadas pelo pais, normalmente possuem estrutura de spas, clubes, com chuveiro, toalhas, vestiário, restaurantes…

Geralmente as pessoas deixam chegar o verão para visitar a Islândia, mas eu fui na primeira semana da primavera e contei com sorte! Em uma semana vi tempestade de neve, sol com chuva, arco-íris… Aliás, o vento é responsável pelos maiores acidentes com as campers.

Como é um país grande, não teria tempo para conhecê-la toda. Então fiz os mais visitados. Comecei aterrizando na capital, Reikjavik, onde se concentra a maior parte da população da Islândia — 200 mil habitantes (em todo o país são apenas 300 mil).

De lá, a primeira parada é Blue Lagoon, uma lagoa artificial famosa por uma máscara que dizem que nos rejuvenesce em 10 anos. Vale a pena provar! Depois, seguimos para uma das maiores obras da natureza, os famosos Geysers: imagine que como se fosse uma gigante panela de pressão, que entra em erupção de minutos em minutos, espirrando para o alto um jato de água quente borbulhando. Lindo e emocionante!

No dia seguinte fui ao vulcão Kerid, que entrou em erupçãoo 3 mil anos atrás, e depois conheci Seljalandsfoss, uma região com cachoeiras que, com a força do vento, quase que sopram a água para cima.

Se tivesse que escolher meu lugar favorito, seria um que se chama Svinafellsjokull, cenário de Game of Thrones, com geleiras que se movimentam lentamente por conta da influência dos vulcões, e vão se transformando nessa montanhas de gelo!.

 

Barcelona, um museu a céu aberto dentro da Espanha

São atrações diurnas, noturnas, gastronômicas. É praia e é metrópole, é jovem e divertida, é antiga e clássica. Barcelona é tudo! E é exatamente aí que me hospedei: no centro, no meio desse tudo. A cidade é tão grande que foi divida em distritos, dez no total, que na verdade eram pequenas cidades que foram se acoplando e hoje compõe Barcelona. Vou contar sobre um deles, o Distrito de l’Eixample, onde está localizado o bairro de Sant Antoni. Por lá me hospedei no apartamento de um chef de cozinha, o brasileiro Eloy Campagnoni, que hospeda e cozinha para seus hospedes. Não haveria lugar melhor para um cozinheiro morar, uma vez que esse bairro vem se transformando num circuito gastronômico e point.

Localizado perto disso tudo que eu disse, o bairro conta com o famoso e antigo Mercado de Sant Antoni que está passando por reconstrução e promete ficar pronto agora no mês de abril — todo remodelado, presenteado moradores e turistas com vias peatonais, facilitando nossa locomoção. E não só ele está sendo reformado como também o bairro todo! Os prédios residenciais, hotéis restaurantes, bares, abrindo lojas, estações de metrô, se tornando um Bairro bem frequentado e jovem. Posso comparar com o que temos aqui em São Paulo na Vila Madalena. A rua mais interessante de Sant Antoni é a Carrer Parlament, que é exatamente onde me hospedei e indico, pois está próximo de tudo. Fiz tudo a pé, do centro da cidade se vai a para a Praça Catalunia, que te leva até a famosa Via Las Ramplas e chega até a cidade velha — próxima até mesmo da praia.

TURISMO.

E onde está a praia de Barcelona? Por toda parte! A mais conhecida é a Barceloneta, uma área para família e turistas, ciclismo, esportes e a famosa Paella espanhola, levando em conta que está na orla marítima da cidade. Cada distrito de Barcelona conta de Infinitas atrações, basta você saber o que te atrai mais: arte, gastronomia, vida noturna…

Daria um livro para descrever Barcelona. Passei uma semana lá, mas não vi um terço do que a cidade tem para oferecer. Ficou faltando muita coisa, e eu, se pudesse indicar, passaria umas ferias inteira por lá. Um mês todo! Como toda cidade grande em que queremos nos familiarizar com a cultura e a historia logo de cara, indico fazer os passeios com os ônibus turísticos que também vai te servir como transporte para se locomover mesmo sem o intuito de fazer o tour.

A maior atração de Barcelona está espalhada pela cidade, e que, sem a narração de um guia conhecedor das obras, você perde boa parte da emoção. O ponto mais visitado, claro é a igreja Sagrada Família! Mas não deixe para comprar seu ingresso na hora, compre online para não ficar sem. Não deixe de pegar o teleférico de Montjuic, além da vista panorâmica que você vai ter da cidade, ele te levar até a colina onde está o castelo!.

 

a

Bangkok, ‘segredos e loucuras’ da exótica capital da Tailândia

Sei que quando nós pensamos na Tailândia, logo nos vem à cabeça as ilhas maravilhosas que formam o país. Mas dessa vez minha viagem teve motivação menos turística e mais filosófica. Me interessei por saber mais sobre o universo do budismo, foi então que me preparei para mergulhar afundo na origem de toda a cultura e conhecer mais sobre esse continente encantador que se chama Ásia.

Levando em conta que não fui por agência e que lá não se fala muito o inglês, não podia cometer erro no que diz respeito a hospedagem e transporte. Mas. claro, teve.

Por isso repito, em alguns roteiros é preciso seguir sim conselhos de quem já foi ou de profissionais da área. E assim cá estou para contar onde fiquei e como cheguei.

São dois voos longos para chegar a Tailândia, então resolvi fazer um pitstop de duas noites na Turquia, antes de seguir viagem.

Bangkok é uma cidade imensa, muito trânsito, muito pedestre, aqueles tuk-tuks, uma loucura!

Pensei, em me hospedar em um bairro, onde pudesse fazer tudo a pé e fosse perto do metro, na parte metropolitana… certo? Errado!

Se você não puder gastar com os hotéis cinco estrelas, de famosas redes conhecidas no mundo todo, não se iluda com as fotos nos sites de hotéis locais. No mesmo minuto que cheguei, já sai. Completamente diferente do site, nem vem ao caso descrever aqui — vocês já imaginam.

Eu mal consegui me comunicar com recepcionista que não falava inglês. Foi difícil porém considero um aprendizado, já que a viagem era para exatamente para aprender mais sobre a paciência e gratidão! Comecei bem a aula! Para você não repetir meu erro, o nome desse bairro é Sukhumvit.

VIAGEM.

Se você estiver em lua de mel, for do perfil mais tradicional ou tiver com filhos, eu sugiro o bairro Riverside, dos mais turísticos e onde estão os restaurantes. A noite a vista é linda e você consegue agendar jantar no barco enquanto navega pelo rio Chao Phraya que corta a cidade — o que vemos nos filmes.

E foi lá mesmo que acabei ficando e amei.

Agora, sobre o que é com certeza o local mais maluco que já vi na minha vida. e algo que não sei bem descrever: se chama Khao San Road.

É uma rua com mais de 400 metros entre restaurantes, bares, casas de massagem, estúdios de tatuagem, agências de turismo… Fica aberta 24 horas, e lá se concentram os jovens e mochileiros do mundo todo.

É lá que você se informa dos transportes para as ilhas. Tanta atracão inusitada que você não sabe para onde olha… Massagens com peixes mordendo seu pé, churrasco de inseto, enfim.

Apesar de parecer excêntrico demais pra você, eu aconselho muito passar por essa experiencia!

a

Istambul, inspiradora cidade que se divide entre a Europa e a Ásia

Quando passei por Istambul, na verdade foi por causa de uma conexão que acabei prolongando e ficando três dias.  Por isso, a chamo de ‘Cidade Inspiradora’!

Quero voltar para explorar, pois somente me deixou com gosto de quero mais.  Quando tenho poucos dias numa cidade, busco logo de cara um guia Turístico para acompanhar meu passo a passo.

Vou tentar te levar comigo aqui e fazer o mesmo roteiro que meu guia. E o primeiro passo é: entender como funciona.

Istambul abraça dois continentes: tem Istambul lado Ásia e Istambul lado Europa, separados pelo estreito Bósforo.  Para se locomover para lá e para cá existem somente duas pontes. O trânsito na hora do Rush é complicado, pois é a cidade inteira se mexendo. Muitos moram do lado europeu e trabalham no asiático e vice-versa.

Uma outra opção para atravessar o Bósforo é usar as balsas que saem a todo momento. A vista no horário do pôr do sol e ao nascer é de tirar o folego. Juro, uma das cidades mais lindas que já vi.

Tem um passeio de barco, bem turístico, porém supercompleto, que te dá logo no primeiro dia uma boa noção da história desde a antiga Constantinopla, uma explicação completa sobre a passagem do Império Bizantino para o Império Otomano, onde passamos pelos palácios.

HOSPEDAGEM.

Eu me hospedaria do lado europeu, que é o lado mais Turismo — o asiático é mais comercial que cresceu muito nos últimos anos.  Então, como nosso assunto é turismo, vamos focar na Istambul europeia.

A visita às mesquitas e aos mercados não podem faltar, para sentir a cultura na pele. Ambas as mesquitas, Blue Mosque e Hagia Sophia Mosque, estão no lado europeu. E passeando por ali em horários específicos se escuta pelos alto falantes o chamado, cinco vezes ao dia, convidando os muçulmanos a orar. É de arrepiar! Diferente para quem vem de uma cultura cristã.

Sobre os Famosos Mercados… Caminhei bastante e cheguei ao Bazar, onde encontramos muitos produtos falsificados, como bolsas e roupas. Mas foi o mercado de especiarias que eu gostei! O Spice Market tem tudo que você imagina, e os turcos, para lá de comerciantes, nos abordam de uma maneira em que não podemos dizer não. Sabem sua nacionalidade só de bater o olho e já logo começam com ‘Brasil, Neymar, Ronaldo’…

Foi nesse mercado que conheci o melhor doce do mundo na minha opinião, e que desde então, todos que vão para a Turquia eu peço para trazer para mim!  Se chama BaKlaVa. Comi um para nunca mais parar. Experimentem também por favor, é maravilhoso!

Você vai ver também muitos tapetes, batas, tudo bem típico, e, se pechinchar, consegue um preço bem melhor!

Um fato: o cheiro do cigarro! Como fumam! Se eu contar, você não vai acreditar… Quando abri as sacolas das minhas compras feitas nos mercados, na minha mala, voltando da viagem, parecia que estava abrindo um cinzeiro! Eles fumam por toda parte, até mesmo dentro dos mercados fechados, impregnando as roupas. Então fique atendo antes de presentear alguém!

Para finalizar aqui no meu curto espaço para descrever essa cidade inspiradora, eu não deixaria de ir a Galata Tower. Um dos únicos ponto que se tem 360 graus de vista. Era uma torre de vigilância no Império Otomano, hoje ela conta com um café e um restaurante.

Para os que gostam mais da cena Noturna, fiquem tranquilos! Istambul à noite é agitada, com muitos clubes…  Os turcos se divertem!

Los Angeles, Beverly Hills e uma viagem de cinema em Hollywood

Primeiro de tudo, uma confissão… Antes de eu fazer essa viagem, eu tinha muito confuso na minha cabeça como era Los Angeles, o que era Beverly Hills, e não fazia a menor ideia de o que seria Hollywood.  Era um bairro? Uma cidade? Uma cidade de verdade? E Beverly Hills? É igual vemos nos filmes? Artistas na rua?

E assim como foi a minha dúvida, tenho quase certeza que é a de muitos brasileiros, que, assim como eu, imaginam uma coisa e ao chegar lá e acabam vendo outra!

Eu organizei toda minha viagem. Fiz o roteiro, aluguei o carro e reservei os hotéis. Foi uma RoadTrip de quase um mês finalizando com Natal e Réveillon.  Como sei que a temperatura na Califórnia no inverno é amena, sabia que não teria problema.

Aliás, a Califórnia parece um país a parte do restante dos Estados Unidos. A ‘vibe’ é outra, e você sente no ar, logo que você desembarca no aeroporto.

ROTEIRO.

Pré-viagem. Primeiro erro: onde ficar? Los Angeles? Centro? Não!

A cidade de Los Angeles não é bonita, é perigosa, tem um transito caótico. O que vemos nos filmes, o local da entrega do Oscar, na verdade todo o glamour é em Hollywood, um distrito. E Beverly Hills é uma outra cidade.

E foi pra lá mesmo que me joguei! Segui o conselho de um amigo americano que mora e trabalha por lá, e mudei às pressas meu hotel, de Los Angeles para Hollywood.

Por isso, que digo… Antes de viajar, leia, pergunte, se informe com pessoas locais ou até quem com já foi, para não entrar em furada! Indicação e dicas são muito importantes, principalmente quando se faz o roteiro sem o acompanhamento e a segurança de uma agência.

Minha viagem se dividiu basicamente em quatro ou cinco dias em cada cidade… Passando por todas as praias, Malibu, Venice Beach,  Huntington Beach, Santa Barbara (amei essa) Santa Cruz (amei essa também), Santa Monica, Carmel , San Francisco, Sausalito…  Mas hoje vamos de menos surf e mais glamour!

VOLTA.

Hollywood realmente não era nada daquilo que imaginava. Na verdade, era… Mas em uma proporção menor do que criei na minha cabeça. A Hollywood Boulervad, onde fica a calçada da fama, é um mundo de fantasia. Lá fica o Dolby Theatre  (o antigo Kodak Theatre), onde acontece a entrega do Oscar. A avenida é toda voltada para a arte, música e o mundo cinematográfico. São museus, como por exemplo da Marilyn Monroe, onde você encontra as maquiagens dela intactas, onde ela pintou o cabelo de loira pela primeira vez, e ate mesmo o frasco do remédio que acredita-se que a causou sua morte…

Também há outros museus com os figurinos usados em vários filmes, por exemplo o sapato real usada pela personagem Dorothy no filme o Magico de Oz, e por aí vai.

É um mundo de sonhos! Conforme andava via muitos jovens em busca de um sonho, ser famoso ou ser reconhecido pelo seu talento artístico, seja musical ou teatral.

De dia trabalham como garçons em restaurantes e bares, e a noite se apresentando em casas de show — ou estão em filas para testes de comercias e TVs e gravadoras.

LUXO.

Beverly Hills?  Essa sim é exatamente como vemos nos filmes (mas completamente fora da minha realidade)!

É realmente para os artistas morarem que ganham em bilhões de dólares. Fiz um tour famoso lá, que é andar de carro (no caso o meu mesmo que aluguei) mas com um mapa na mão, que tem todas as ruas e separado por número e letra a casa dos artistas. Aí você vai seguindo o seu artista favorito e, quem sabe… Encontra com ele saindo de casa!

O meu favorito Foi Michael Jackson. Ali fiquei horas, parada em frente a casa dele, a Neverland… Parei o carro, desci, olhei a caixa de correio., o jardim, e fiquei ali refletindo.

O que leva uma pessoa tão rica, com tanto talento e fama, ter tido uma vida tão problemática, difícil… E apesar de estar numa atmosfera fútil, glamorosa e fantasiosa que é Hollywood, filosofei sobre a vida e agradeci por tudo que tenho. Pois mesmo com tantas mansões carros, aviões, Lamburghinis e Masseratis que você vê a todo momento, essa vida de celebridade não deve ser nada fácil. Se não usado com cautela, o dinheiro pode ser prejudicial à saúde!

No mar Egeu, Mykonos é destino de baladeiros e paraíso nas ilhas gregas

Como em todas as minhas viagens, eu não tenho data, nem roteiro, nem programação, nem companheiro. Viajo e exploro o mundo pelo simples fato de querer conhecer novas culturas.

Claro que as ilhas gregas estavam no meu ‘Top10’ destinos para visitar, mas na minha cabeça a Grécia estava vinculada a muita história e mitologia! E, de fato, Atenas é uma das cidades mais antigas do mundo, mas meu roteiro não foi bem por aí…

Atenção baladeiros! Essa trip é pra vocês!

Não é à toa que o ditado ‘Mykonos destrói Ibiza’ se tornou um grito de guerra entre os europeus. Uma viagem em que pensei que veria só love em meio a casais em lua de mel, mas acabei vivenciando uma das experiências mais energéticas da minha vida!

E fui em agosto, ou seja no ápice do verão Europeu — seria como se fosse a época do nosso Carnaval aqui no Brasil. Todo o foco é para festas, atrações musicais, praia e muita paquera!

Numa rápida conexão em Atenas não podia deixar de explorar um pouco e conhecer o templo Parthenon. Fiz a loucura de pegar um trem de dentro do aeroporto e seguir direto ate a estação da famosa Acrópole.

Pelo pouco que vi de Atenas, a cidade no geral não é bonita, mas pelo olhar de quem aprecia historia e arte é de tirar o folego — principalmente quando se avista um dos edifícios mais famosos do mundo, construído em 447 a.C para a deusa Atena!

Já em Mykonos, o aeroporto pode facilmente ser comparado com uma rodoviária. Por ser uma ilha, o transporte com carro é complicado, são poucos táxis pra muito turistas do mundo todo.

Se você sabe dirigir vespa ou quadrículo, alugue! É mais pratico e divertido. Senão, alugue um jipe ou um conversível — afinal é praia e a brisa no rosto com o solzinho batendo é outra vibe!

PASSEIOS.

As festas em Mykons não param de junho a setembro: é festa, festa, festa, com a seleção dos melhores djs do mundo nas pick ups das casas noturnas e beach clubs.

E não se assuste se caso, você olhar pro lado da sua espreguiçadeira e ver a Lindsey Lohan do seu lado! Mykonos também é o pit stop das celebridades do mundo.

Tanto que o restaurante e beach club ‘Jackie O’ (que é o meu favorito), que fica em cima de uma montanha contemplando, o mar, foi nada mais nada menos, diz a lenda, que a casa de praia de Jacqueline Onassis.

E para os mais tranquilos (se é que esses existem na ilha de Mykonos) sugiro a praia Aghios Sostis. E para os mais tranquilos ainda, especialmente aqueles que estão em casais, seguiria em frente e exploraria Santorini.

Enfim, a última dica: se você esta solteiro(a), esse é o roteiro! E cuidado: você pode se apaixonar, ou se apaixonarem por você! Foi lá, nesse paraíso das ilhas gregas, que conheci o meu futuro marido!

Boa viagem!.